Teresa Santos (Vila do Conde, 1985) inicia aos cinco anos o seu percurso na dança clássica e conclui em 2007 a Licenciatura em Dança – Educação, pela Escola Superior de Dança (IPL). É, desde então, formadora de dança em diferentes espaços e contextos educativos. Continua a sua formação no Arsenale della Danza 2010, programa de formação em dança contemporânea da Bienal de Veneza, onde contacta com diferentes técnicas de dança e abordagens artísticas. Participa em workshops de contacto improvisação e composição coreográfica com diferentes formadores. Nas áreas da fotografia e do cinema, participa em workshops com Nikos Economopoulos / Magnum Photos, Patrícia Nogueira e Ricardo Leites. Em 2011 co-funda vintiset.net, um projecto de multimédia para artistas. No mesmo ano co-funda a Ventos e Tempestades – Associação Cultural. Co-funda em 2015 o FIS – Festival Internacional de Solos, co-produzido com o Cine-Teatro Garrett. Em 2016 funda Grito imagens, a partir da qual dirige e produz o seu trabalho pessoal. Paralelamente, é intérprete de projectos de diferentes artistas e estruturas, destacando: Ready da Companhia Erva Daninha (2020), Dame du Cirque de troposfera.xyz (2019), MESA de Ana Renata Polónia (2014), uma forma quase cilíndrica de Teresa Santos / Companhia Ao Vento (2013), You Who Will In No Other Way de circumstance (2013), la femme inconnue de Jean Daniel Fricker (2012), Limites da Companhia Ao Vento (2012), 30por1linha e O Homem que só pensava em números de Pedro Carvalho / Companhia Instável (2011), entre todas as coisas de Teresa Prima (2011) e Oxygen de Ismael Ivo (2010). Participa em Manual de Instruções de Victor Hugo Pontes (2009) e Contre Bande de Martine Pisani (2005), como membro da comunidade.

MariaChiara Freddura
Teresa Santos