Há quem (PT)

Há quem caminhe confiante, a rigor, e mexa no mundo. Há quem pareça saber sempre para onde vai e arraste consigo os mais incautos. Há quem invista tempo a contemplar a construção de uma habilidade que passa necessariamente pelo erro. Há quem se espante com a abertura inesperada de portas que revelam interiores até então inacessíveis e, por isso, misteriosos. Há quem encontre num uniforme sentido de comunidade. Há quem ganhe para guardar o que não é seu. Há quem, na ousadia da sua juventude, repouse a testa pesada nas mãos, lugar onde todo o corpo se permite afundar. Há quem corra por prazer, torpe, ainda que pareça fugir de alguém. Há quem faça o exercício de observar e escrever. É assim que sabemos que, apesar de tudo, a vida segue o seu rumo.

Teresa Santos