Micro Narrativa

Invisível, o manto cai nas horas e, tropeçando, tentamos erguer na sua dignidade o caminho turvo. As horas também caem, extraordinárias, com aroma a excepção, lentidão e dever. Companheiras do isolamento, são horas que nos arrastam inevitavelmente no destino de…

Uma mão e a outra tocam-se. Uma não vive sem reconhecer a outra. Há cumplicidade neste gesto. Envolvem-se e dedicam-se o seu tempo em movimentos coreográficos. Proteger uma parte para proteger o todo. A consciência do que implica este gesto…

Há dias que não acabam, há dias em que o sono não vem. Há dias que se difuminam lentamente noutros dias e os sonhos são roubados. Há semanas que são dias, baralhando o calendário da razão humana. E quando finalmente…

As palavras não são definitivas: o seu significado, a sua grafia ou a sua composição. Uma palavra maiúscula pode, num repente, perder importância e tornar-se minúscula. Se é que existe hierarquia nas palavras… As palavras não se deveriam ler ou…

Um barco no fundo do mar é sempre um desastre, nenhum barco nasceu para afundar. No entanto, ao ser atravessado pelo tempo, há nele uma beleza que advém da catástrofe. O tempo muda o olhar das coisas.

Há uma janela aberta que não fecha. Uma brisa que desassossega a vista que não acaba. Além, no infinito, o sonho tangível sujeita-se à impermanência dos dias e das noites. O tempo passa, absorto na ilusão de o ser. O…

De dia para dia vejo crescer a minha mão e as células que se multiplicam nesta ode ao triunfo da vida. De dia para dia vejo crescer o meu pé e os caminhos que antes percorria têm agora que esperar….

Palavra quente com cheiro e ligeiro peso nos braços. Unha e carne contra o precipício da separação. Vigília e esperança num recanto próximo e seguro.

No final da festa, a meditação consiste em limpar as bocas dos copos embriagados e reveladores, servidos à refeição. Para a sujidade mais incrustada usam-se as unhas e, às vezes, o perdão…

Certo dia perguntaram-me o que era para mim existir. Eu respondi: não sei, é bom, andar no mundo… Hoje, nos meus noventa anos, penso que existir é também sentir o mundo a andar em nós.

Atravessam-se no caminho ondas douradas povoadas por sóis reverentes. Rolam pelo asfalto quente e infinito, brisas velozes em direcção ao seu destino. Micro universos plasmados neste deserto peninsular, são oásis de cor e vida. Escoam vales secos por entre gigantes…

Back to top