Pedras do meu telhado

1. Cada passo como um caminho fractal que se desenrola no deserto debaixo dos pés. Pouco a pouco. 2. Um diamante não passa de um mecanismo de sobrevivência. 3. Ontem são milhares de anos....

O vazio do observador

É na escura iluminação de uma ponte fechada para obras, que me dou conta do vazio. Do espaço antes ocupado por ambos os tabuleiros, resta um nada habitado apenas por ar. Onde antes havia...

Escritor

Um escritor vive intensamente cada palavra escrita, num jogo constante de busca e captura em prol da liberdade.

A Grande Sorte

#prólogo Eu tive a grande sorte de conhecer o Sr. Roque. #introdução Armando Roque não era, de todo, um homem comum. Nas algibeiras trazia espanto e admiração pelas coisas do mundo – qualidades que...

Bocas

No final da festa, a meditação consiste em limpar as bocas dos copos embriagados e reveladores, servidos à refeição. Para a sujidade mais incrustada usam-se as unhas e, às vezes, o perdão…

Existência

Certo dia perguntaram-me o que era para mim existir. Eu respondi: não sei, é bom, andar no mundo… Hoje, nos meus noventa anos, penso que existir é também sentir o mundo a andar em...

Hoje por hoje

Atravessam-se no caminho ondas douradas povoadas por sóis reverentes. Rolam pelo asfalto quente e infinito, brisas velozes em direcção ao seu destino. Micro universos plasmados neste deserto peninsular, são oásis de cor e vida....

Micro lago

Havia um lago tão incrivelmente pequeno que nunca ninguém o vira. Ponderava-se até que nunca tivesse existido.

Em que pensas?

Em que pensas quando o teu corpo paira livre no ar que abraça e estilhaça ao ponto de não saberes quanta parte é respiração e quanta é vento?

Fogos de segunda

Abro a janela nesta noite quente. Uma parafernália de luz e som instala-se neste quadro. Estás deitado na cama e tens sono, por isso não vês. Perguntas-me se é bonito. Não sei, está a...

5 ovos, 5 pintainhos

– Eu disse-lhes que não era para matar aquela galinha – diz ela observando os dois cães que repousam numa sombra fresca – disse-lhes que quando ela morresse eu a enterrava, que não era...

Pernas

Hoje não tenho pernas para andar. Dei o berro. Vou tirar o cavalo da chuva.

Sedução

Todas as capas exteriores tentam seduzir-te, comprar-te, convencer-te, provocar-te, entusiasmar-te, controlar-te, consumir-te, invadir-te, alienar-te, até, por fim, vencer-te.

Valsa lenta

Com o teu corpo encostado ao meu, aguento-te, para que não se desmorone o teu mundo ao meus pés, nesta valsa lenta.

You Who Will In No Other Way

Quem é aquela à minha frente? Pode ver-me? Se sim, o que acontece? Pode ela ser ou estar no meu futuro? A que distância é o futuro? Alguma vez mudarei? Por que deveria desejar...