Certo dia perguntaram-me o que era para mim existir. Eu respondi: não sei, é bom, andar no mundo… Hoje, nos meus noventa anos, penso que existir é também sentir o mundo a andar em nós.