Há uma janela aberta que não fecha. Uma brisa que desassossega a vista que não acaba. Além, no infinito, o sonho tangível sujeita-se à impermanência dos dias e das noites. O tempo passa, absorto na ilusão de o ser. O querer desvanece e há uma janela que se fecha.

in Cordel de Poeta de Gandia