Arquivo: Órgão de Grafia

#prólogo Eu tive a grande sorte de conhecer o Sr. Roque. #introdução Armando Roque não era, de todo, um homem comum. Nas algibeiras trazia espanto e admiração pelas coisas do mundo – qualidades que partilhava com cientistas e poetas, entre…

No final da festa, a meditação consiste em limpar as bocas dos copos embriagados e reveladores, servidos à refeição. Para a sujidade mais incrustada usam-se as unhas e, às vezes, o perdão…

Certo dia perguntaram-me o que era para mim existir. Eu respondi: não sei, é bom, andar no mundo… Hoje, nos meus noventa anos, penso que existir é também sentir o mundo a andar em nós.

Atravessam-se no caminho ondas douradas povoadas por sóis reverentes. Rolam pelo asfalto quente e infinito, brisas velozes em direcção ao seu destino. Micro universos plasmados neste deserto peninsular, são oásis de cor e vida. Escoam vales secos por entre gigantes…

Abro a janela nesta noite quente. Uma parafernália de luz e som instala-se neste quadro. Estás deitado na cama e tens sono, por isso não vês. Perguntas-me se é bonito. Não sei, está a acontecer mesmo atrás das árvores. O…

Uma bola pode ser muitas coisas, mas nunca um objecto cortante. É afável. Tem forma. É estável. É completa. Não tem início nem fim. Dura. Está repleta de algo. Faz-se ouvir. Molda o corpo e provoca movimento. Encaixa na palma…

– Eu disse-lhes que não era para matar aquela galinha – diz ela observando os dois cães que repousam numa sombra fresca – disse-lhes que quando ela morresse eu a enterrava, que não era para tocar nela. Eu disse. Ela…

Todas as capas exteriores tentam seduzir-te, comprar-te, convencer-te, provocar-te, entusiasmar-te, controlar-te, consumir-te, invadir-te, alienar-te, até, por fim, vencer-te. in Cordel de Poeta de Gandia

Quem é aquela à minha frente? Pode ver-me? Se sim, o que acontece? Pode ela ser ou estar no meu futuro? A que distância é o futuro? Alguma vez mudarei? Por que deveria desejar uma outra versão de mim no…

Ondas de espaço frio batem na minha solidão, procurando pela minha liberdade, o meu silêncio. Milhões de olhos do corpo mudam de foco e as fronteiras do mundo começam a dissolver-se, permitindo ver e encontrar lugares além da pele. Quantos…

Back to top