A lua
pegou fogo esta noite.
Tem luz própria
e ilumina
causas perdidas.

Hoje não é deusa
nem satélite,
nem velha,
nem jovem.

Cansada de mostrar
a mesma face de sempre,
despe-se
para quem a queira
ver inteira.

Poema para Selene da série Vozes reactivas de Teresa Santos / Nablas.